Tempestade Solar de 1859 – Evento Carrington

Sol e suas manchas

No ano de 1859 ocorreu uma das mais intensas tempestades solares geomagnéticas de que se tem registro. Nesse ano, a ejeção de massa coronal do Sol atingiu a magnetosfera da Terra, tendo produzido poderosas tempestades geomagnéticas. A Tempestade Solar de 1859 também ficou conhecida como o Evento Carrington.

Esta tempestade solar produziu efeitos verdadeiramente invulgares, nomeadamente a observação de auroras por todo o mundo, quando geralmente as auroras são visíveis apenas em regiões próximas dos polos. As auroras associadas à tempestade solar de 1859 chegaram a produzir brilho mais intenso que o da Lua Cheia. Existe notícia de pessoas que conseguiam ler o jornal com a luz das auroras nos Estados Unidos da América.

Apesar da sua beleza, este fenómeno teve também consequências nefastas. Os sistemas de telégrafo que naquela época já existiam, deixaram de funcionar. Alguns telegrafistas receberam choques eléctricos, e observaram-se faíscas em postes telegráficos.

O que que esteve na origem da tempestade solar de 1859? O que os cientistas da época observaram no Sol? Entre os dias 28 de Agosto e 2 de Setembro de 1859 foram observadas muitas manchas no Sol, em larga escala. No dia 1 de Setembro, os astrónomos amadores Richard Carrington (1826 – 1875) e Richard Hodgson (1804 – 1872) observaram uma erupção solar. Acredita-se que essa erupção esteja na origem da ejeção de massa coronal que provocou a tempestade solar de 1859.

As ejeções de massa coronal são grandes erupções de gás ionizado com altas temperaturas que ocorrem na coroa solar. Quando essas ejeções de massa coronal atingem o campo magnético do planeta Terra, podem causar as tempestades solares. Foi exatamente isso que ocorreu em 1859.

Essa tempestade solar de 1859 ficou conhecida para a História como o Evento Carrington. Uma tempestade solar de dimensão similar nos dias de hoje traria outros problemas bem mais graves que os ocorridos em 1859. Isso aconteceria porque hoje a nossa civilização está muito mais dependente da energia eléctrica e de toda uma série de tecnologia que não existia no séc. XIX. Uma tempestade solar dessa dimensão danificaria sistemas elétricos e de comunicações por todo o mundo, com consequências sem precedentes. Os custos sociais e económicos seriam de grandes dimensões, e sua recuperação levaria anos.

Vento solar

Representação da interação do vento solar com a magnetosfera da Terra.

Share Button
Tempestade Solar de 1859 – Evento Carrington
Classifique este post
Bookmark the permalink.

Comments are closed.